O que são parasitas e como proteger meu pet?

Compartilhe

O que são parasitas e como proteger meu pet? 29 de novembro de 2021

Os parasitas podem ser divididos em externos, também conhecidos como ectoparasitas, onde os principais são pulgas, carrapatos e as sarnas; e também em parasitas internos, ou endoparasitas, que tem como seus principais representantes os vermes intestinais e o verme do coração. Independente de qual seja, todos eles trazem grandes prejuízos aos nossos melhores amigos, sejam cães ou gatos, e preveni-los é sempre a escolha mais fácil e prudente.

Vamos conhecer um pouco de cada um?

Pulgas

As pulgas são insetos sem asas bem pequeninos, que às vezes é até difícil de ver se não olharmos com atenção. Você sabia que, se seu cãozinho sair pra passear e voltar com 2 pulgas fêmeas e 1 pulga macho, em 10 semanas você pode ter em torno de 7 mil pulgas no ambiente? Assustador, não? As pulgas adultas estão sobre o cão e representam apenas 5% do total da população de pulgas que infestam nossos amigos, ou seja, 95% das demais formas imaturas, encontram-se no ambiente. Os ovos são colocados sobre o animal em poucos dias após o início do parasitismo, podendo chegar a até 50 ovos por dia por pulga. Eles acabam caindo no ambiente conforme o pet se movimenta e com o tempo mudam de fase e se transformam em larvas e depois pupas. A pupa é a forma resistente no ambiente, que fica escondida em frestas no chão, tapetes ou móveis, e pode sobreviver por até 6 meses, esperando o momento certo de eclodir a pulga adulta de dentro desse casulo, que reinicia todo o ciclo.

E por que isso é importante? Porque essas pulgas, além do desconforto causado pela picada e coceira, podem causar algumas doenças nos animais, como a DAPP – dermatite alérgica à picada de pulga, vermes intestinais e infecções que são zoonose (ou seja, passam dos animais para nós), como a bartonelose ou doença da arranhadura do gato. Por isso, é importante seguir a recomendação do seu médico-veterinário a respeito do tratamento e prevenção!

Carrapatos

Já os carrapatos são bem visíveis quando adultos, não é mesmo? Eles são ácaros, e o do cão é conhecido como carrapato urbano ou marrom. Ele sobe e desce do seu cão algumas vezes durante seu crescimento e desenvolvimento, usando sempre o cão como fonte de seu alimento: o sangue, ingerido através da picada, onde ele permanece fixado por dias se alimentando. Eles voltam ao ambiente para mudar de fases todas as vezes após se alimentarem. Escalam paredes, muros e móveis, e procuram sempre um lugar alto e escondido para ficarem protegidos, além de colocar seus ovos nesses locais. Em média, uma fêmea coloca 4 mil ovos de uma vez, podendo chegar a mais de 7 mil!

Quando falamos de carrapatos, uma coisa tem que ficar bem clara: além do tratamento administrado ao cão, é super importante também a limpeza do ambiente com produtos específicos, indicados por seu médico-veterinário, para aplicar nesses locais em que eles ficam escondidos. E por que é tão importante evitar carrapatos nos nossos amigos? Porque eles transmitem duas doenças perigosas para os cães: a erliquiose e a babesiose, que você já deve ter ouvido falar com o nome genérico de doença do carrapato. O grande problema é que essas doenças podem matar seu animalzinho se não diagnosticado e tratado a tempo… portanto, quanto mais pudermos prevenir, melhor!

Sarnas

São três tipos de sarnas que podem acometer os pets: sarna demodécica, popularmente conhecida como sarna negra, sarna otodécica, a qual chamamos também de sarna de ouvido, e a escabiose, sendo a sarcóptica nos cães e a notoédrica nos gatos. Essas sarnas podem causar muita coceira no seu animalzinho  e predispor a infeções que agravam ainda mais o quadro.

A depender do tipo de sarna, podemos ter quedas de pelo acentuadas em vários locais do corpo, inflamação e engrossamento da pele, que pode ficar bem avermelhada ou escurecida… pode haver muita coceira nos ouvidos, onde o cão balança muito a cabeça ou a esfrega em chão e paredes, chegando a se machucar seriamente… Para identificar e tratar corretamente, é importante que o médico-veterinário avalie e realize alguns exames. Dessa forma, fará a prescrição do medicamento pelo tempo correto, além de orientação de outras medidas que podem ser adicionadas.

Vermes intestinais

De repente seu animalzinho começa a ficar triste, sem fome, não quer mais brincar, e você pode até observar sangue ou visitantes estranhos nas fezes dele: os vermes! Verminoses intestinais acometem cães e gatos, e eles estão sujeitos a se infestar ao visitar locais com outros animais, como parques, se tem hábito de comer fezes ou se tem pulgas e acabam por ingeri-las ao se coçar.

Outros sintomas que você pode observar no seu amigo: fezes amolecidas, perda de peso, pelos fracos e sem brilho, uma barriguinha distendida, vômito, e ele começa até a esfregar o bumbum no chão… Alguns sintomas são observados em outras doenças, por isso é importante consultar o médico-veterinário para um correto diagnóstico!

Piolhos

Você sabia que cães e gatos também podem pegar piolhos? Por um lado, fique tranquilo, pois eles não passam para nós: os piolhos de cães só afetam cães, e o piolho de gato só afeta o gato. São transmitidos de um animal infestado a outro, gostam de sujeira, são visíveis a olho nu e geralmente se movimentam pouco, bem diferente das pulgas, que são menores e super ágeis. Os sintomas observados são coceira, cheiro forte, um animal visivelmente incomodado, chegando a ter queda de pelos, lesões na pele e fraqueza. Esses sintomas também são comuns à outras doenças, por isso, é importante a visita ao veterinário para correto diagnóstico.

Verme do coração

E agora vamos falar de uma doença muito importante, que tem cada vez mais casos em todo o Brasil: a dirofilariose, também conhecida como verme do coração. Essa doença é causada por um verme que se aloja no coração e na artéria pulmonar dos pets, causando sérios danos ao longo do tempo, levando o animal a óbito. A transmissão acontece através da picada de diversas espécies de mosquitos que estão presentes no nosso dia a dia, especialmente em regiões mais quentes e úmidas, como litoral e áreas de rios e represas. Mas não se engane: animais de todas as regiões estão susceptíveis e podem se infectar. Os sintomas podem variar de animal para animal, dependendo da resposta individual e da carga de parasitas: falta de apetite, apatia, tosse, dificuldade de respirar, até coma e morte. O tratamento é longo, podendo levar mais de um ano! Por ser uma doença tão grave e que pode permanecer silenciosa por muito tempo, é importante contar com preventivo.

A Zoetis tem em sua linha de produtos três antiparasitários para te auxiliar no cuidado com seu pet:

ProHeart SR-12, administrado por médicos-veterinários nos cães, que faz a prevenção do verme do coração por 12 meses com uma única injeção; Simparic, que protege e também trata os cães contra 2 espécies de pulgas, 11 espécies de carrapatos e os 3 tipos de sarna; e Revolution, que pode ser utilizado em cães e gatos na prevenção e tratamento de pulgas, carrapatos, vermes intestinais, verme do coração, sarnas e piolhos. Para mais informações, consulte a bula dos medicamentos e também um médico-veterinário para prescrever de acordo com a idade e a necessidade que seu melhor amigo possui.

A equipe da Animália está sempre à disposição para tirar suas dúvidas e prescrever o que há de melhor, mais seguro e moderno para seu pet.

Gostou do conteúdo?
Compartilhe

Leia também

BARRA DA TIJUCA

(21) 2491-2351

Saiba maissaiba mais da unidade BARRA DA TIJUCA